noticia / seguros-de-vida-e-um-dos-beneficios-mais-comuns-entre-executivos

Seguros de vida é um dos benefícios mais comuns entre executivos


A Michael Page, empresa especializada em recrutamento e seleção de média e alta gerência, realizou uma pesquisa comparando os benefícios mais desejados e os mais aplicados (mais comuns) entre gerentes e diretores de companhias brasileiras. O estudo foi feito comparando 11 divisões que a empresa atua, são elas: Bancos, Saúde, RH, Vendas, Marketing, Engenharia, Supply, Propriedade e Construção, Finanças, TI e Jurídico.

Em ambos os comparativos, o plano de saúde/odontológico/seguro de vida é o mais aplicado entre os profissionais, no entanto ter participações nos lucros da empresa é o grande desejo de gerentes e diretores. O estudo foi feito nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná e contou com 6.500 executivos entrevistados.

Segundo Leonardo de Souza, diretor da Michael Page, o plano de saúde/odontológico/seguros de vida são, sem dúvidas, valorizados pelos profissionais. Entretanto, com o passar do tempo, estes benefícios passaram a ser interpretados como algo padrão, vistos quase como uma obrigação de toda empresa. "Atualmente, se a empresa não oferecer estes benéficos, causará um impacto negativo, pois eles já são benefícios esperados pelos executivos", diz.

Com relação à PLR, Leonardo comenta, "O fato de a Participação nos Lucros ter um espaço representativo na pesquisa faz com que ele seja valorizado pelos gestores. Atrelado a isso, o PLR tende a ser um instrumento mais meritocrático, na medida em que não está apenas veiculado ao resultado da empresa como um todo, mas também aos resultados alcançados individualmente pelos profissionais. E este equilíbrio traz benefícios para a empresa e para o profissional", finaliza.

Entre os gerentes, o benefício mais aplicado a todas as áreas pesquisadas é o plano de saúde/odontológico/seguro de vida. Porém, o benefício mais aplicado é considerado o mais desejado/importante por apenas 63% das áreas pesquisadas.

Segmentos como Saúde, Supply Chain, Propriedade e Construção e TI possuem o plano de saúde como o benefício mais aplicado, mas valorizam a Participação nos Lucros da empresa como benefício mais importante dentre os disponíveis (70.2%, 78.2%, 85.3% e 77.7% das respostas, respectivamente).

Para os profissionais de engenharia, 70.6% consideram a participação nos lucros da empresa muito importante. Porém apenas 59,4% recebem o beneficio. O mesmo acontece com os profissionais de Finanças, onde 52,3% recebem a participação, mas 75,3% gostariam de ter o benéfico e o consideram importante.

Em outras áreas, a Participação nos Lucros aparece em segundo lugar na lista dos desejos. 71.3% dos profissionais de Vendas gostariam de ter o benefício, mas apenas 49.7% o recebem.

Para os diretores, o benefício mais aplicado também é o plano de saúde/odontológico/seguro de vida, mas este se balanceia com a Participação nos Lucros da empresa - que aparece como benefício mais aplicado em 2 das 11 áreas pesquisadas.

Apesar de ser o benefício mais aplicado, apenas 27% o consideram o mais importante. Para 63.3% das áreas pesquisadas, a Participação nos Lucros da Empresa é o item mais importante dentro do leque de benefícios disponíveis. Eles são considerados o mais importante para as áreas de Banking, Engenharia, Supply, P&C, Finanças, Tecnologia e Legal.

A área de Healthcare - que tem como benefício mais aplicado o plano de saúde/odontológico/seguro de vida - valoriza como benefício mais importante a Previdência Privada (88.2% das respostas). Por outro lado, o RH, Vendas e Marketing valorizam o plano de saúde como o benefício mais importante.

.

Lucro da SulAmérica cresce 9,7% e receita total atinge R$ 4 bi no trimestre

Em nota ao mercado, a Sul América S.A. comunica que finalizou o terceiro trimestre de 2013 com lucro líquido de R$ 117,1 milhões, alta de 9,7% em relação ao mesmo trimestre de 2012. A receita consolidada total da companhia no trimestre, resultante das operações de seguros, previdência, gestão de ativos e capitalização, chegou a R$ 4 bilhões. Deste total, R$ 3,2 bilhões foram em prêmios de seguros, que registraram crescimento de 14,8% em relação ao mesmo período de 2012. Um dos destaques do trimestre foi a marca de R$ 1 bilhão em receita de prêmios de seguros em um único mês, atingida pela primeira vez pela companhia.

O índice combinado, indicador que demonstra a eficiência operacional da companhia, melhorou e ficou abaixo de 99% no trimestre. O índice total de sinistralidade registrou melhora de 0,4 pontos percentuais no terceiro trimestre e de 0,7 p.p. no acumulado do ano. "Os resultados financeiros do período, acompanhados da marca inédita de R$ 1 bi em prêmios em um único mês, reforçam a crença em nossas decisões estratégicas. Estamos atentos aos desafios do mercado e trabalhando para atender às exigências com a estrutura e solidez de uma empresa prestes a comemorar 118 anos de existência", afirma o presidente da SulAmérica, Gabriel Portella.

O segmento de automóveis superou o ritmo de crescimento dos outros períodos com aumento de 24,1% em prêmios emitidos na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Fruto de uma política de subscrição equilibrada, o índice de sinistralidade apresentou redução, registrando melhora de 4,3 p.p. passando de 65,4% para 61% no trimestre, e chegando a 60,1% no acumulado do ano.

Algumas linhas de negócios, como seguro saúde e odontológico, foram favorecidas pelos efeitos sazonais típicos do período. Nesse segmento, as carteiras que mais cresceram em prêmios no terceiro trimestre foram saúde PME, com evolução de 23,8%, seguida da de planos corporativos, incluindo planos coletivos por adesão, com alta de 16%. A carteira de planos odontológicos teve incremento de 17% na receita, e já totaliza cerca de 620 mil segurados.

Os resultados da operação de Previdência foram impactados pela volatilidade do mercado e apresentou queda de 5,5% no trimestre, mas registrou crescimento de 56,5% no acumulado dos últimos nove meses. As reservas alcançaram R$ 3,9 bilhões no terceiro trimestre, uma alta de 8,3% em comparação ao mesmo trimestre de 2012.

Em Ramos Elementares, a carteira de produtos massificados teve expansão de 31,5% no terceiro trimestre, contribuindo para o desempenho desse segmento. A receita de prêmios mostrou queda de 3,6% no trimestre e alta de 4,7% no acumulado do ano.

Desde maio, com a conclusão da aquisição da SulAmérica Capitalização pela SulAmérica, os resultados da operação de Capitalização passaram a ser consolidados aos resultados da companhia. No terceiro trimestre, a arrecadação de títulos de capitalização foi 23,6% maior que no mesmo período do ano passado e alcançou R$ 485,8 milhões.

Frente ao terceiro trimestre de 2012, o resultado da operação da área de Gestão de Ativos obteve crescimento de 25,5%, reflexo do aumento de 25% na receita com taxas de administração de fundos.


Categoria: Notícia

Publicado em:

Cadastre-se

Cadastre-se e receba nossos informativos relacionados.

By Redbit